No hate. No violence
Races? Only one Human race
United We Stand, Divided We Fall
Radio Islam
Know Your enemy!
No time to waste. Act now!
Tomorrow it will be too late

English

Franç.

Deutsch

Arabic

Sven.

Español

Portug.

Italian

Russ.

Bulg.

Croat.

Czech

Dansk

Finn.

Magyar

Neder.

Norsk

Polski

Rom.

Serb.

Slov.

Indon.

Türk.

汉语

 
7.

Os Revisionistas Afirmam:

O Zyklon B era altamente tóxico. Assim sendo, teria sido idiota e contraprodutivo pôr em perigo pessoal do Terceiro Reich alegadamente ocupado em retirar corpos das câmaras de execução pouco depois de terem sido "gaseados."

 

A história fraudulenta de ventiladores poderosos instalados nas alegadas câmaras de gás, que na realidade eram morgues, tem sido frequentemente repetida. Qualquer um com senso comum pode visitar Auschwitz-Birkenau e reparar na estreita proximidade entre as alegadas "câmaras de gás", a cantina e hospital das SS separados alguns metros na rua. Não verão ventiladores poderosos, nem parafusos nem porcas, nem montagens, nem ancoras para eles, nem altas chaminés similares às que existem, por exemplo, no complexo de câmaras de gás da casa da morte em Parchmont, Mississipi e noutras câmaras de gás nos EUA - dispositivos para expelir e dissipar o gás mortífero.

Além disso, existem relatórios - por exemplo, a "confissão" de Hoess obtida através de tortura bestial! - de todo o tipo de Grupos de Pressão de Promoção do Holocausto em como os "Sonderkommandos" entravam nas alegadas câmaras de gás para remover os mortos apenas alguns minutos após os "gaseamentos" - fumando, comendo e bebendo! Dificilmente o poderiam ter feito através das máscaras de gás. Vá a Auschwitz.

Vá a Birkenau. Veja os fornos crematórios alegadamente em operação 24 horas por dia, mesmo ao lado da "câmara de gás." Entre as duas salas nem sequer havia uma porta! É evidente que não havia sido prevista uma porta.

Nós temos provas forenses, verificáveis independentemente, através das amostras e raspagens trazidas dessas instalações pelo muito maldizido Fred Leutcher e pelo cientista Alemão Germar Rudolf, mostrando ausência de resíduo ou quantidades mínimas de resíduo de Zyklon B que, de acordo com o falecido Dr. William Lindsey, cientista de alto gabarito para a companhia química gigante dos EUA, Du Pont of America, ainda teriam que estar lá agarrados ao ferro na areia, betão etc. durante centenas se não milhares de anos. ((Lindsey, William B. "Zyklon B., Auschwitz and the Trial of Dr. Bruno Tesch," Journal of Historical Review,4, (1983: 261-303.)

As amostras recolhidas pelo processo de Leutcher usando luvas de borracha, máscaras faciais, foram datadas, identificadas, duplamente embaladas em sacos de plástico esterilizados e foram filmadas como precaução antes de serem levadas para os EUA e serem analisadas pelos Alpha Laboratories of Ashland, MA, pelo Dr. James Roth, um professor de Química veterano de 10 anos na Universidade de Cornell. O Dr. Roth foi reconhecido como um especialista no seu campo pelo Tribunal de Toronto durante o julgamento de 1988 de Zündel. (Testemunho de Roth tal como é resumido em Did Six Million Really Die? Report of the Evidence in the Canadian "False News" Trial of Ernst Zündel - 1988, Edited by Barbara Kulaszka, pag. 362-363)

Verifique o testemunho do Dr. Roth e fique tranquilo para sempre.

O segundo ponto defendido pelos Revisionistas refere-se à inflamabilidade do Zyklon B. Os Revisionistas disseram que o gás explodiria. O Grupo de Pressão de Promoção do Holocausto sustenta que o gás não explodiria. Os Revisionistas afirmaram que é necessário mais Zyklon B para matar um ser humano do que para matar um piolho. O Grupo de Pressão de Promoção do Holocausto argumenta o contrário.

A decisão compete aos cientistas.

Aqui entre nós, vamos usar um pouco de lógica. Não se pode concordar com ambos os pontos de vista. Mesmo que o gás não expluda, tal como foi alegado, os Sonderkommandos que trabalhavam duro, supostamente cremando os corpos 24 horas por dia, estavam expostos ao gás mortífero ". . . de poucas em poucas horas quando novos grupos eram gaseados na sala adjacente."

Para dirigir um crematório moderno e eficiente é necessário pessoal qualificado. E esse pessoal altamente treinado, extremamente valioso para os Alemães, não teria igualmente morrido se só são necessárias quantidades mínimas de Zyklon B para matar pessoas?

A ideia de quanto está envolvido em gerir um crematório eficiente pode ser recolhida do testemunho de Lagace, (O Testemunho de Lagace tal como sumariado em Did Six Million Really Die? (Morreram Mesmo Seis Milhões?) Relatório de Prova no julgamento Canadiano de Ernst Zündel por "Notícias Falsas"- 1988, Editado por Barara Kulaszka, pag. 267-271) o director do crematório mais moderno do Canadá. É um documento que vale a pena ler. Teriam os Alemães de alta tecnologia, supostamente dirigidos pelo demónio para matar qualquer Judeu à vista, numa altura de intensa falta de mão de obra, sido tão descuidados com os seus próprios peritos operadores de crematório? Disparate.

Se o objectivo fosse matar eficientemente o maior número de Judeus, quanto mais eficientes as instalações, mais Judeus poderiam ter sido mortos. Não haveria as oficinas de aprendizes que agora são expostos perante as massas ingénuas.


A execução de criminosos e prisioneiros através de gaseamento em câmaras de gás é uma ideia unicamente americana. É cara, incómoda e lenta. A América ainda gaseia os criminosos, mas a Alemanha nunca o fez. Nenhuma outra nação, certamente não na Europa dos anos 30 e 40, executou criminosos ou outros com este complicado, demorado, incómodo, caro (e perigoso para o carrasco) procedimento.

Até aos dias de hoje, os criminosos Americanos morrem em procedimentos altamente complicados, um ou dois de cada vez, através de métodos cuja preparação demora muitas horas. As câmaras de gás da América não se parecem nem de longe com os galinheiros e oficinas de jardim apresentados ao mundo pelo Grupo de Pressão de Promoção do Holocausto como "câmaras de gás Nazis."

E em relação a Pressac? Basta dizer que uma crítica erudita do estudo Pressac foi preparada pelo Dr. Faurisson. (Publicada em Revue D'Histoire Revisioniste, nº 3, 1991.) Para documentação completa contacte o Dr. Robert Faurisson. Suporta facilmente a prova do escrutínio.

A reclamação dos Revisionistas é clara e precisa: Não operaram câmaras de gás em campos de concentração Alemães expressamente com o propósito de matar seres humanos.

Se o objectivo de Hitler tivessem sido matanças genocidas, teria havido disponíveis métodos mais fáceis e mais baratos. Os Soviéticos usaram uma única bala na nuca para matar milhares de oficiais Polacos em Katyn e milhões dos seus próprios cidadãos noutros lugares por todo o Império do Mal. Os Britânicos enforcavam; os Franceses guilhotinavam, os Alemães executavam os criminosos e traidores comummente por pelotão de fuzilamento.

Tudo o resto é Steven Spielberg e propaganda anti-Germânica como "A Lista de Schindler."

Os Alemães eram um povo de alta tecnologia. Construíram câmaras de fumigação, para pôr sob controlo doenças devastadoras, de alta tecnologia, ao mesmo nível ou ultrapassando o nível técnico das câmaras de gás então em uso nos EUA. Porque teriam então usado barracas de madeira cheias de fugas? Balas teriam sido muito mais simples, menos caras, com mais facilidade de obtenção e - isto é muito importante - transportáveis. Os Alemães não precisavam de carregar os inimigos com grandes despesas e inconvenientes através de toda a Europa e queimá-los com combustível dispendioso quando as crianças Alemãs morriam de frio porque não havia combustível.

Soldados Alemães com as suas espingardas poderiam ter sido enviados para as planeadas vítimas. Porquê arrastar milhões de Judeus de uma ponta à outra da Europa se se podiam matar nas florestas de França tão facilmente como os Soviéticos mataram os Polacos em Katyn?



 




Introdução

O Revisionismo afirma:

 
Part I

O Holocausto é uma útil propaganda pós-guerra que começou como uma campanha insidiosa e sistemática durante a Segunda Guerra Mundial como uma das tácticas empregadas pelos interesses endinheirados para motivar as tropas e envolver o mundo, especialmente a América, no que acabou por ser, essencialmente, uma guerra fraticida.


Part II

Não há provas que o Holocausto, tal como é apresentado pelo Grupo de Pressão de Promoção do Holocausto e pela altamente politizada indústria de Hollywood, tenha ocorrido.


Part III

Os números das vítimas do "Holocausto" são irresponsavelmente exagerados.


Part IV

A política oficial do Terceiro Reich em relação aos Judeus era emigração, não exterminação.


Part V

Não foi encontrado um único documento com a assinatura de Hitler ordenando a exterminação dos Judeus.


Part VI

"O Zyklon B era um fumigante. Não era um agente prático para assassínio em massa."


Part VII

O Zyklon B era altamente tóxico. Assim sendo, teria sido idiota e contraprodutivo pôr em perigo pessoal do Terceiro Reich alegadamente ocupado em retirar corpos das câmaras de execução pouco depois de terem sido "gaseados."


Part VIII

O especialista em execuções Americano, Fred Leuchter, apresentou uma decisiva prova científica ao provar que as assim chamadas câmaras de gás em Auschwitz não poderiam ter sido usadas para o propósito alegado.


"Israel como um Estado judeu constitui um perigo não apenas a si mesma e a seus habitantes, mas a todos os judeus, e a todos os povos e Estados do Oriente Médio e além."

- Prof. Israel Shahak, judeu e fundador da Liga Israelense de Direitos Humanos


Palestine banner
Viva Palestina!

Latest Additions - em Português

A Entrevista do General Remer
Um dos mais famosos comandantes militares da II Guerra Mundial

Quem controla o Brasil - sionismo na presidência

A conspiração Sionista - para dividir os estados Árabes em pequenas unidades

Fotos   

Herman Rosenblat, um – verdadeiro – cara de pau!    


Iraq under Jewish occupation
Iraq - guerra e ocupação


Rabino defende genocídio do povo palestino

A vez do Irã

Um Complô contra a Radio Islam

Massacre em Gaza - A bestialidade judeo-israelita
Por Alfredo Braga

O que é o Revisionismo?
 

"Se eu fosse um líder árabe nunca assinaria um acordo com Israel. É normal; nós tomamos o país deles."

- David Ben-Gurion, Primeiro-Ministro de Israel


Citações - sionismo

Os Judeus Khazares
Por Dr. Alfred M. Lilienthal


Rabino defende Holocausto Iraniano
“devemos orar pela destruição do Irã”

O poder oculto - De onde nasce a impunidade de Israel
Por Manuel Freytas

Down with Zio-Apartheid
StopJewish Apartheid!

Sobre a influência sionista no Brasil: Judeus no Brasil

As vitórias do revisionismo
Por Professore Robert Faurisson

The Jewish hand behind Internet The Jews behind Google, Facebook, Wikipedia, Yahoo!, MySpace, eBay...

Islamofobia = Propaganda Sionista

Um olhar para o poderoso Lobby judeo - Por Mark Weber

The Founding Myths of Modern Israel
Garaudy: "Os Mitos fundadores"


A Lavagem de Dinheiro das Drogas Pelos Judeus
Maior jornal Israelense Ma'ariv revela!

No assunto do rancor judaico à Cristandade - Por Israel Shahak

Racismo Judaico contra Não-Judeus conforme expresso no Talmud

Reel Bad Arabs - Revealing the racist Jewish Hollywood propaganda

Sobre "O Relatório Leuchter"

The Founding Myths of Modern Israel
Shahak: "Storia ebraica"

O Holocausto negro 
“O comércio de escravos estava nas mãos de judeus”

Protocolos dos Sábios de Sião

Videos - Importante coleção
 

Talmud unmasked
A Verdade Sobre o Talmud

O Talmud Desmascarado

Caricaturas 

Ativismo! - Participa na luta!